As primeiras palavras.


No final de cada ano todos devemos, por norma, aproveitar para realizar um balanço do que fizemos bem e, também, do que não devíamos ter feito. Só assim podemos traçar melhor os objectivos para o ano seguinte e procurar ser melhores seres humanos a cada ano que passa.

Neste blogue a natureza vai andar muitas vezes, lado a lado com os personagens das histórias que nascem neste teclado. Hoje trago-vos aqui uma história que por acaso foi escrita exactamente no dia a que a mesma se refere, tendo sido também a primeira que escrevi na vida. Deixo-vos com:

O primeiro dia…

Anoitecia suavemente nesse Setembro. Guiado pelo marulhar das ondas, mergulhou no silêncio da noite. Chegado à praia, parou. O mar descarnava a praia, retirando em cada onda, grão a grão, a roupagem que tapava as rochas, despindo-as para as voltar a possuir na próxima preia-mar.

Sentia-se como a praia, a descarnar por fora. Estava ali e não estava. A mente sentou-se num pequeno fragmento de azul transfigurado em prata que desaguava na Lua, grande, redonda, prenhe de sonhos. Estava longe dali. O seu corpo tomou lugar no muro da marginal.

Uma luz brilhou na espuma de uma onda. Era um sargo reluzente, a debater-se, apanhado numa rede fatal, quase tão fatal como aquelas com que a vida o presenteara até ali. Surpresas da vida. Da dos peixes e da dos homens. Também ele se sentira aferrolhado pelas redes que a vida lhe armara. Derrotas. Vitórias. Saldo final. Vivo. Saudável. Lhano. Forte. Não era uma questão de força de vontade. Era, isso sim, de vontade de fazer força. E isso ele tinha. Objectivo também. Viver.

De repente o mar acalmou. Transfigurou-se. Era agora um rio calmo e tranquilo. Assim ficou ele, sereno e quieto como o mar, olhando o rio de prata que desaguava no ventre da Lua. Não tinha memória de um momento assim. Verdadeiramente, a sua memória tinha entrado em blackout. Senti-a apagar-se, ganhar aquela cor enevoada e esbranquiçada da bruma.

Ficou numa espécie de transe. Fechou os olhos e sem saber porquê, uma a uma, as lágrimas começaram a soltar-se. Primeiro numa cadência suave, depois deslizando pela face sem parar, percorrendo um longo e silencioso caminho até ao coração. Não, não eram lágrimas de tristeza e sofrimento. Pela primeira vez na vida eram lágrimas de alegria, gratidão e paz. Uma paz imensa e terna, que ele julgou irrepetível e única. Voltou a abrir os olhos e viu uma gaivota cruzando a noite, numa valsa voluptuosa sob a benção da Lua.

Deu uns passos e num último bem-haja, agradeceu aquele momento. Fez meia volta e regressou a casa. Deitou-se e adormeceu profundamente. Dormiu umas catorze horas. Nunca tinha dormido tanto tempo.

Como todos os seres humanos, levara muitos anos a solidificar as suas crenças. Cometera imprudências, fizera tentativas, tomara decisões, às vezes erradas, outras certas. Aprendera, desse modo, a dobar os trilhos emaranhados da vida. Não era, certamente, uma pequena pérola, não tinha tido tempo para essa metamorfose. Os grãos de areia numa ostra levam muito tempo a transformar-se e nem todos se tornam pérolas, mas todos tem essa oportunidade, se quiserem.  Neste processo de amadurecimento, a vida não pára. Nós é que queremos, às vezes, que ela pare e fique assim quieta, sem mexer, eterna. É nessas horas que experimentamos clarões de felicidade. Mas a vida nem sempre acata os nossos pedidos. Todas as semanas começam à segunda-feira. A vida desenrola-se semana, após semana. A sua recomeçou, também a uma segunda-feira. E mudou, para melhor. Novas oportunidades, novas competências, novos desafios, novas amizades. Algumas derrotas. Vitórias também.

O reinício ocorreu num final de tarde. Desceu à praia, num tom adocicado e leve as ondas e o vento libertavam a espuma em gomos leves, uns mais pequenos, outros maiores, sempre com a certeza que seriam desfeitos e refeitos novamente, tal como a roda da vida, fazendo e desfazendo sonhos. Reparou em duas gaivotas, a dançar rasando as águas. Devagar, sentaram-se no azul-prata. Ele num movimento reflexo consciente imitou-as. Sentou-se, bem ao largo, no seu pedaço íntimo e secreto de azul. Uma gaivota levantou vôo em silêncio dirigindo-se para norte. A outra piou, elevou-se no ar e mergulhou seguindo as leis da vida. O Sol tomou o rumo da gaivota e num vôo deslumbrante, pousou suavemente no mar adormecendo em paz.

Ele, pela segunda vez na vida, chorou lágrimas de alegria, gratidão e paz. Ergueu-se. Apressou o passo. Chegou a casa, deitou-se e aconchegado pela luz doce dos sonhos, adormeceu. Outras catorze horas. No dia seguinte, levantou-se, fechou as portas do coração e mergulhou olimpicamente na vida. Era o primeiro dia de um novo ano.

O dia mundial da Paz.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

14 respostas a As primeiras palavras.

  1. Venho apenas deixar o meu abraço amigo, com votos de continuação de Boas Festas e de um Feliz Ano Novo!
    E “instantes” que sempre valham a pena:

    “A vida é uma sequência de instantes que se vão sucedendo desde o nascimento até à morte. Inclusive a melhoria humana e a auto-realização se devem produzir de instante em instante, não se devem postergar para um futuro incerto. Estes instantes devem viver-se em abertura amorosa, com atenção e equanimidade, com plenitude e serenidade, sabendo pegar e largar, sem permitir que o instante anterior condicione o presente e determine o futuro. Desse modo, a aprendizagem vital não se suspende e a mente mantém-se fresca e renovada.”
    In “Os Melhores Contos Espirituais do Oriente”, de Ramiro Calle

    Um abraço

    • Joaquim,
      Muito obrigado pelas suas palavras sentidas. E um agradecimento muito especial pela excelente citação que aqui me deixa de um livro que eu desconhecia.
      Votos de uma boa entrada em 2011.
      Um abraço e um Feliz Ano Novo.

  2. Belíssimo momento de reflexão. Obrigada…

    Feliz 2011

    Um abraço

  3. de como a vida dos peixes
    reflecte a vida dos homens

    no emaranhado
    nos trilhos
    nas redes

    mas uns dormem, os outros não
    felizes seremos, homens com o brilho dos oceanos!

    um bom ano para si!

    um abraço

    manuela

    • Manuela,
      Tem toda a razão a vida dos peixes reflecte a vida dos homens. Uns no mar, outros no mar da vida. Se soubermos ler o mar, tal como um negociante de madeiras experimentado sabe ler a floresta, podemos sempre aprender com o mar. Neste blogue o mar vai ser uma presença frequente em muitas histórias.
      Votos de uma boa entrada em 2011.
      Um abraço e um Feliz Ano Novo para si também.

  4. antonio implume diz:

    O mar ganha-nos nessa arte de ir e vir, pois só nos cabe uma vida. Bom 2011.

  5. Graça Pires diz:

    Um texto para ler e reler. Para reflectir.
    “Sentou-se, bem ao largo, no seu pedaço íntimo e secreto de azul.”
    Muito belo!
    Um beijo e um ano de 2011 muito Bom.

    • Obrigada pelas suas palavras Graça. Toda a gente tem um pedaço íntimo e secreto de azul, basta olhar com atenção o mar ou o céu.
      Se o texto conseguir ser o ponto de partida para que cada leitor possa fazer a sua própria reflexão, então o texto já cumpriu a missão dele.
      Um beijo e um excelente ano de 2011 para si também.

  6. Maria P. diz:

    Palavras belíssimas de ler, marcadas para reler…

    Feliz 2011 António.
    Beijinho*

  7. Oi Adorei o seu blog, passe lá no meu blog de textos, obrigado, até mais!

  8. Grato pelas suas palavras.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s